Reflexões

As pausas estratégicas

photo.jpg

Sabático não é férias. Não é correria, mochilão, checklist de pontos turísticos, checkout de hostel a cada 2 dias, nada disso. Na verdade  a definição de sabático é período de descanso, e existem muitas formas de se tirar um sabático, você pode escolher ficar em casa ou em uma única cidade por 6 a 12 meses estudando algo novo ou simplesmente se escutando. Ou também pode escolher viajar o mundo, conhecer países e culturas, tribos, comunidades. E mesmo que o sabático seja destinado a uma volta ao mundo, as pausas estratégicas são necessárias.

No meu sabático decidi viajar e me dedicar a conhecer alguns países e culturas, mas também a praticar alguns cursos e simplesmente parar em alguns lugares para viver, assim como vivenciei Piracanga por um mês, mas esta experiência incrível fica para um post à parte.

Aqui na Ásia que cheguei há pouco mais de dois meses, eu sabia que no primeiro mês estudando yoga no ashram eu não teria tempo para parar, pensar, ler  e me estruturar, o curso tomava o dia todo.

Depois resolvi passar 2 semanas na praia no Sri Lanka trabalhando 4 horas por dia num hostel, até pensei que lá teria este tempo. Não tive. Praia, festas e novos amigos fazendo checkin a cada dois dias, voltei de lá como se estivesse voltando de movimentadas férias.

Então voltei pra Índia, a ideia era visitar Auroville em 3 dias e depois seguir pelo sul da Índia visitando várias cidades de Kerala. Me apaixonei por Auroville e resolvi passar 10 dias apenas lá. Imaginei que lá teria este “tempo pra mim” mas acabei me envolvendo com tudo e com todos, e passei os 10 dias frequentando aulas de yoga, workshops, filmes, documentários, visitas à floresta, café com um, sorvete com outro, almoço com uma família que acabou de se mudar pra lá, e assim foi, o tempo todo absorvendo algo novo.

Eis que vim parar em Pushkar, uma cidade pequena no Rajastão, o maior estado da Índia, mas uma cidade que não tem muitas atrações turísticas. Na verdade é uma pequena cidade com um grande mercado de roupas ao redor de um lago sagrado. Mas vim passar o fim de semana com uma amiga grega que conheci no ashram, então sabia que no fim de semana inteiro não teria muito tempo pra mim, estava matando as saudades dela e visitando os amigos que ela tem por aqui.

Ela ia embora na segunda-feira, e eu tinha uma semana até encontrar uns brasileiros que havia marcado de encontrar na próxima cidade. Uma semana: 7 dias livres, que eu até poderia pegar outro trem, viajar horas, colocar mais uma cidade do Rajastão no itinerário. Mas eu quis ficar, quis parar, pra ler, refletir e escrever, decidi fazer a tal da pausa estratégica.

Eu nem sabia direito pra que eu queria esta pausa estratégica, mas lendo Propósito, livro do Prem Baba, me deparei com um capítulo que cita que nossa jornada da alma é longa e às vezes precisamos parar para identificar e absorver aprendizados. E esta pausa foi no local certo pra mim. Em uma cidade de compras.

Muita gente vem a Pushkar para comprar roupas e acessórios para si, e outros tantos vem para o business também, compram nas confecções daqui para revender em seus países. As roupas, bolsas e acessórios aqui são realmente muito lindos e o turismo aqui é comprar, comprar, comprar.

Me fez parar pra pensar na Marina consumista que já fui. Que ia de férias para Nova York ou Miami e voltava com uma mala extra cheia de roupas novas. Que gastava sem se questionar no shopping na hora do almoço, que comprava tudo que achava bonito, sem se perguntar da real necessidade de ter mais e mais. Desde que comecei o sabático optei por uma vida mais simples, minimalista, descobri que antes eu tinha 96 vestidos no armário e mais de 50 sapatos…eu acho isso exageradamente MUITO.

Desapegar não é fácil, mas fiquei bem tocada pelo documentário Minimalism disponível no Netflix, descobri um cara que tem 53 itens na vida e viaja o mundo apenas com isto (considere até a carteira e a mochila itens dessa conta) e uma mulher que lançou o desafio de viver com 33 peças por mês, inclua seus anéis nessa conta! Apesar de eu ter morado em 17 casas e a cada mudança sempre desapegar de muitos bens materiais, eu ainda assim acumulava, comprava livros que não lia, comprava roupas que usava uma só vez, e às vezes nem isso. Então desapeguei!

Me juntei com amigas em bazares e vendi quase todas minhas roupas, sapatos, bolsas, livros, além das 2 bikes que eu não usaria nos próximos meses viajando. Além das vendas, ainda doei muita roupa, e doei o meu cabelo! Vim pra Ásia pra passar 6 meses com um mochila de 15kg, não dá pra comprar nada a mais, senão pago excesso de peso nos voos domésticos, e na verdade nem preciso de nada a mais. Até comprei uma calça aqui, mas porque abandonei uma velha no Sri Lanka e deixei outra no ashram que até furou de tanto usar. A proposta desta grande jornada é esta: usar as roupas até elas se desfazerem.

Esta foi minha pausa estratégica e meu aprendizado na nova jornada.

E não é só no sabático que as pausas são necessárias, é na vida. Muitas vezes deixamos o tempo e o trabalho nos consumirem, entramos na roda girando e nem lembramos de parar e olhar o que estamos fazendo e quais foram os aprendizados das nossas jornadas.

14 comentários em “As pausas estratégicas”

  1. Estou adotando acompanhar seu blog, e essa experiência linda! Obrigada por compartilhar, eu ainda quero viajar para a Índia e estudar meditação e yoga! Mas teria que ser nas férias! Você acha que é que consigo participar de algum workshop ou fazer algo bacana em duas semanas? Depois vou pegar mais dicas;) Um grande abraço! Mi

    Curtir

    1. Oi Mi, preciso me dedicar mais ao blog e entrar aqui com mais freqüência, nem tinha visto seu comentário, desculpe. Existem sim diversos cursos na índia, o TTC (yoga teacher training course) dura sempre 28 dias, mas há muitos retiros oferecidos em ashrams com durações de 1 ou 2 semanas. Para meditação recomendo o vipassana, de 10 dias. beijos

      Curtir

  2. Amei esse texto, toda essa experiência e conexao com o mundo que voce esta vivenciando. Estou nessa caminhada tb de so comprar o que precisa, estou um pouco atras de voce pois ainda compro uma bolsa aqui outra acola, mas muito menos de quando morava no Brasil. Esse livro que voce esta lendo é em ingles? Beijos😘😘

    Curtir

    1. Oi Bru! a redução do consumo é um processo, lento, e nem é necessário pra todo mundo, não há certo nem errado, apenas pra quem tem vontade de reduzir. O livro O Propósito é em português, sim. beijos

      Curtir

  3. Sou muito grata de ter tido a oportunidade de conhecê-la, e com isso, hj tenho a oportunidade de te acompanhar pelo seu blog a sua evolução. Vc me inspira (já te disse isso) e quem sabe um dia chego ao seu estágio! Sou sua fã!!!!!!❤️❤️❤️❤️

    Curtir

    1. Ju! obrigada pelas palavras e por me acompanhar! muito bom relatar aqui de vez em quando cada aprendizado que tenho e saber que amigas queridas estão acompanhando! beijos!!

      Curtir

  4. Ótimo texto, Marina! Na euforia a gente sai atropelando tudo e esquece até de se situar no espaço – e na mente!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s