a grana

Vivendo um sabático

sabatico

Dá pra escolher viver uns meses de sabático, até um ano, dois, três…é uma escolha…basta se planejar pra isso, principalmente financeiramente. Viver um sabático significa viver fora da sua carreira comum, se dedicando a algum projeto, estudo ou viagem, ou até mesmo ficando em casa, tendo TEMPO que é tão raro hoje em dia.

Meus amigos me perguntam como juntei dinheiro pra ficar estes 2 anos sem trabalhar apenas viajando, quanto gasto por mês, como me preparei financeiramente pra isso…pois bem, eu nunca fui modelo de controle orçamentário e economia,  e educação financeira a gente infelizmente não aprende na escola…mas aqui no sabático faço um super controle e planejamento. Quem me conhece da minha antiga vida paulistana sabe como eu era gastadeira e descontrolada…shame on me….mas hoje, apesar de estar em viagem o tempo todo sem rotina, me transformei em outra pessoa, controlo, coloco budget pra cada coisa, faço escolhas e ainda gasto menos do que gastava em São Paulo, mesmo comendo 3 refeições fora por dia e dormindo em hostels e hotéis todos os dias.

Começando pelo controle: eu utilizo iphone e nele uso o aplicativo numbers (uma espécie de excel) para preencher cada centavo que gasto por cidade e categoria, assim sei quanto gastei no total de cada mês, total de cada país, média dia, quanto gastei em comida, diversão, transporte, vistos, etc…Gosto de usar ele pois fica salvo na nuvem, então eu acesso também do MacBook e consigo fazer análises como eu fazia no excel (tá toda engenheira ela…). Mas tem muito aplicativo que ajuda nisso ( guia bolso, mobills, minhas economias, organizze, etc.)

Para se ter dimensão, nestes 6 meses de Ásia, eu gasto na média:

  • US$ 10 em quartos compartilhados de hostel com café da manhã
  • US$ 2 a 6 em cada almoço ou jantar
  • US$ 20 a 50 em passeios, mergulhos, entradas (que faço 1 a 2 por semana)
  • US$ 10 a 20 em transporte entre cidades (trem, bus, ferry)
  • US$ 40 a 90 em vôos internos e US$ 100 a US$ 300 em vôos entre países
  • US$ 20 a US$ 50 de visto em cada país

Em países mais baratos como Índia, Sri Lanka, Tailândia dá pra passar o mês todo com US$1.000 viajando e conhecendo tudo. No Myanmar eu penei pra achar comida por menos de US$ 3, mas mesmo assim gastei US$ 1.300 nos meus 28 dias, na Índia meu último mês gastei  US$ 1.100, descontando o curso que fiz, já Filipinas é um pouco mais caro e exige voos internos pra se locomover entre as ilhas, também fiz mergulhos, acabei gastando quase US$ 1.800 pra passar um mês, foi meu destino mais caro.

Tudo isso considerando IOF e taxas de saque, visto, plano de saúde quando faço, chip de celular local e vôo para chegar em cada país, além de tudo que listei lá em cima.

Pense assim, cidade que o turismo é praia ou templos, gasta-se nada em atrações, no máximo uma gorjeta em um city tour ou um tuk tuk …nestes casos considere então 10 dólares de acomodação com café, 2 dólares em um almoço simples ou snack de rua, 6 dólares em um jantar mais consistente e mais uns 2 dólares de gorjeta ou água pelo caminho: US$20 foi o seu gasto no dia. Mês passado fiquei 7 dias em uma praia e gastei exatamente isso, nadinha a mais. Hoje (2018) com a nossa moeda, to falando de R$ 68 o dia inteirinho…em SP eu tinha almoço em restaurante que saía mais caro que meu dia inteiro aqui… agora, se o rolê exigir um passeio, um mergulho, uma entrada em atração, considere mais US$ 20 a US$ 50 no seu dia. Mas isso porque escolhi não beber neste sabático, tá gente? de vez em quando rola uma cervejinha de sábado, mas beber encarece qualquer viagem…e como decidi viajar por 2 anos….não rolava. E NADA de comprinhas, por mais lindas que sejam as roupas e souvenirs, to evitando.

Bom, mas isso foi Ásia, né? as moedas aqui são bem desvalorizadas e tudo é barato. Segundo semestre estarei na Europa e sei que lá sairá tudo mais caro, por isso meu plano é fazer work exchange por lá, trabalhando nos hostels em troca de hospedagem e café, um pouquinho disso eu explico neste outro post, aqui tenho usado Worldpackers e Workaway. No Sri Lanka trabalhei em um hostel em troca de alimentação e hospedagem, gastei apenas US$ 400 no mês, com vôos, baladas, passeios, visto.

E tudo são escolhas também, esta semana estou indo pro basecamp do Everest, CARO, US$1.000 o trekking de 12 dias, mas escolhi pagar menos em hostels nos últimos 2 meses e assim posso pagar este trekking agora. Então precisa ir equilibrando as bandejas.

Sobre as passagens, eu pesquiso muito antes de decidir qual país irei, busco as baixas temporadas, pesquiso no Skyscanner os vôos com janelas de 1 semana, e quando encontro o mais barato, compro direto no site da cia aérea. O Skyscanner também tem uma opção de destino “qualquer lugar”onde ele lista os destinos mais baratos da cidade origem que você estiver, já escolhi ir pra um país usando esta função!

Agora, sobre economizar a grana, eu tinha este sonho há uns anos, então estava economizando para isso,  mas algo que me ajudou muito no início do sabático foi o desapego, abri meu armário, provei as roupas, avaliei cada look e deixei apenas o que eu realmente iria usar pelos próximos 2 anos que eu não pretendia voltar pra vida corporativa, isto é: sapatos de salto, vestidos chiques, camisas, e mesmo roupas de balada foram separadas para um grande bazar. Eu era daquelas que acumulava bijoux, óculos escuros, comprava roupas que não usava…descobri que eu tinha 90 vestidos, resolvi ficar com 30 (que ainda é muito, aqui pra Ásia eu trouxe apenas 8, que ainda é muito kkk)…mas enfim, em um grande bazar com amigas vendi roupas, sapatos e acessórios por R$20 a R$50, além das minhas 2 bikes, tablet, ipod, utensílios de cozinha, livros…gente, a grana que eu levantei pagou minha passagem de ida e volta pra Ásia AND um mochilão novo, então acreditem, temos tesouros guardados sem uso que podem ser transformados em passagens aéreas, sim!!! E desapega, que o melhor da vida que levamos são experiências e não objetos!