o que levar

Um mochilão pela Ásia de 11 quilos e 9 meses

photoNeste post eu vou falar de roupa, tá?

Não, não comecei com 11 quilos, comecei com 15kg, em um mochilão de 90 litros e mais a mochila “de combate” como costumam chamar, de 5 quilos. O mochilão era para despachar sempre nos vôos, e a mochilinha era pra andar comigo com os pertences pessoais e computador.

No segundo mês de viagem o mochilão foi de 15kg para 11kg, e assim seguiu pelos próximos 8 meses, pois doei todos os excessos que percebi que trouxe logo no primeiro mês. Sobre o tipo de mala para levar, entre mala de rodinha e mochilão, eu sempre prefiro mochilão, acho muito mais prático pra pegar ônibus, caminhar até o hostel, subir e descer escada. Pra quem tem dúvida, eu comprei um de 90 litros, que foi um exagero pois ele vivia meio vazio, mas até que não era ruim, sobrando espaço nele era mais fácil de organizar. Mas hoje eu faria uma viagem com um mochilão de 70 litros no máximo. Aliás, estou pensando em vender este e na Europa daqui um mês vou usar o menor que tenho em casa.

Falando em vender, vamos começar por este tópico, quando resolvi largar a vida em São Paulo e viajar o mundo, a primeira coisa que fiz foi abrir o guarda roupa e separar tudo o que eu realmente iria precisar nos próximos meses viajando, onde o plano inicialmente eram 6 meses de Ásia, 6 meses de Europa e 6 meses de África, mas já mudei toda a rota e sigo mudando… tirei tudo que eu não iria usar no próximo 1 ano e meio: vestidos de festa, calças jeans, casacões, jaquetas, blazers, sapatos de salto, contei tudo e descobri que tinha 90 vestidos (um absurdoooo), do mais levinho de usar com biquíni ao mais chique de casamento, fiz uma limpa e fiquei com 30 (que ainda é muito, mas fato é que eu usava mais vestido do que calça e saia).

A difícil arte de abandonar tudo: foi difícil, mas consegui separar e desapegar de tudo que ficaria parado sem uso. Muito influenciada pelo documentário “Minimalism”que eu me inspirei em  gente que passa o mês com apenas 30 peças, e gente que viaja o mundo com 56 itens, recomendo este doc! Então, junto com amigas, fiz um grande bazar e vendi todas as roupas, ainda sobraram algumas que baixei mais ainda o preço e fui recebendo as amigas em casa para provar e comprar. Com isso ainda levantei uma graninha pra viagem!

Mas vamos ao que eu trouxe pra Ásia nesta viagem!

Quando comecei a fazer a mala, logo me veio a dúvida, pois eu iria passar por países de pura praia, países religiosos onde devo me cobrir toda, precisava também de roupa de esporte para fazer trekkings, ia pegar balada na Austrália e ainda passar por lugar bem frio (Everest), destinos bem heterogêneos! Mas por fim, resolvi focar nos países quentes de praia e nas roupas que cobrem bem o corpo pra Índia, pois não ia carregar excessos de inverno por meses só por causa do Everest, quando chegasse a hora, eu me vivaria. Já a bota de trekking foi essencial levar pois usei muito, ela pesava, então eu sempre calçava ela pra viajar de ônibus, trem ou avião.

Pra quem quer uma listinha pra ajudar na sua trip Ásia, vou falar primeiro do que eu trouxe de EXCESSO e logo me desfiz doando em hostels e para viajantes que cruzaram meu caminho:

  1. calça jeans e de sarja: pesa, não é prática e não usei em um mês, então no segundo mês já doei as duas;
  2. all star/converse: é legal pra passear em cidade e até uma baladinha, mas usei muito pouco e sempre carregava ele pesando na mochila;
  3. malha de manga comprida, sabe aquelas malhinhas gola V, bem básicas e vão com tudo? mas se o destino é Ásia, você não vai usar;
  4. calça de moletom: achei que seria confortável e que eu usaria, mas era muito quente pra Ásia e logo doei, em países como Indonésia, Índia, Tailândia se encontram calças levinhas de algodão por R$ 10, bem mais prático;
  5. bata de manga comprida, aliás, tudo que é de manga comprida acabei doando, a bata, um moletonzinho e a malha gola V;
  6. rasteirinha: carreguei, carreguei e não usei, em países de praia eu vivia de havaianas, mesmo na balada, e nas cidades achei melhor deixar o pé mais fechadinho com alpargatas ou tênis.

Agora vamos pra listinha amiga do que levar: se seu destino for a Ásia, países quentes, como foi o meu, o mochilão ideal pode ter:

  • 1 tênis (eu levei de trekking, mas pode ser tênis esportivo confortável pra caminhar o dia todo)
  • 1 havaianas
  • 1 alpargatas (destas de tecido, não pesa na mala, protege o pé e é confortável)
  • 2 shorts: levei um jeans e um de tecido
  • 1 saia (eu acabei trazendo 3, mas no meio da viagem já doei duas) e comprei uma que me apaixonei na Índia
  • 3 a 4 vestidinhos: a dica aqui é levar uns vestidos mais lisos, ou de estampas que não enjoem, de algodão, que dá pra usar de várias maneiras: eu colocava como saída de praia com biquíni, ou com um brincão pra sair a noite, e até com baby look e legging por baixo pra passar o dia todo turistando na índia (onde devemos cobrir ombros e pernas)
  • 3 biquínis (melhor os lisos pra não enjoar, e poder também alternar as combinações)
  • maiô: eu acho mara! Dá pra usar como body com short ou saia, dá pra usar na praia e é ótimo pra mergulho, levei 2
  • 1 legging, acabei levando 2 pretas e foi muito útil! Serve de segunda pele por baixo da calça em lugar mais frio, serve pra praticar yoga e trekking, serve como meia calça por baixo do vestido pra sair a noite
  • 2 calças levinhas (mas dá pra comprar na ásia também)
  • 3 regatas lisas
  • 3 baby looks/camisetinha lisas (eu levei estampadas, e não aguentava mais as mesmas estampas nas fotos, kkk, daí uma manchou, outra furou, enfim, me desfiz e comprei 3 lisas da Índia por R$5 cada: branca, vermelha, azul, pronto, combina com tudo!)
  • 1 vestido longo pras fotos diva hahahahaha esse só se quiser se sentir diva, eu levei 2 mas foi exagero, acabei ficando só com um e dei o outro pra uma amiga
  • 1 canga que também sirva de echarpe (praticidade! comprei uma na Índia que eu usava pra deitar na areia ou pra cobrir a cabeça em templo)
  • camisa jeans: este é must have! É bom pra proteger do ar condicionado no avião, fica lindo amarrado na cintura com um vestidinho, dá pra colocar com legging, e se for jantar em algum lugar mais arrumadinho dá até pra abotoar até o pescoço e colocar com a saia, um ahazo!
  • casaco: acabei levando um que também foi peça chave, sabe aqueles casacos que ficam num saquinho igual sleeping bag? Acho que chama down jaquet, o mais famosinho é da marca japonesa Uniqlo, mas até a Decathlon e a Renner começaram a vender. Levei um destes, porque no saquinho não ocupava espaço e usei em trekkings de madrugada, em vôos noturnos mais frios, e nos Himalaias
  • calcinha, sutiã e top: poucos, as calcinhas eu lavava sempre no banho e deixava secando com a toalha, e a cada 50 dias ia pra alguma cidade grande passear num shopping e aproveitava pra comprar novas calcinhas e jogar as velhas fora
  • um short e uma camiseta de pijama, pra dormir em quartos mistos acho melhor algo assim do que camisola
  • toalha de camping (aquela que fica bem pequena, pois muitos hostels não oferecem toalha)
  • lençol: se tem uma coisa que vale a pena comprar (e se encontra na decathlon ou lojas de camping) é um lençol-sleeping, é tipo um sleeping bag que fica num saquinho, mas é de tecido leve, eu dormia em todo lugar com ele, hostel, trem, ônibus, acho mais higiênico.
  • eco bag: nunca pensei que usaria tanto! Mas eu levei, e usei pra ir pra praia, usei como bolsa pra sair, usei pra fazer compras em mercadinho e evitar sacola plástica, é mara!

Daí chegou o Nepal e o Everest, mas para fazer o trekking escolhi uma agência que me emprestou a mochila de 40 litros, o casacão de neve e o sleeping, além disso comprei uma calça mais resistente de inverno, alternei minhas 2 leggings como segunda pele e comprei ainda um moletom fleece e um corta vento. Lá não era caro comprar, então valeu a pena do que carregar a viagem toda. Ter o tênis de trekking aqui foi essencial, senão teria que ter comprado também e este sim seria mais caro. A calça depois doei, mas os casacos os preços tavam bons e eu poderia aproveitar na Europa ainda, então mandei pro Brasil pelo correio, pra não seguir carregando.

Fora isso, uma necessáire pequena: tente levar tudo em frascos pequenos, e conforme os produtos forem acabando vai comprando mais (na Ásia vende-se tudo em embalagens menores);  uma necessáire menor ainda com poucas makes (quase não se usa na Ásia, mesmo pra pessoas que eram viciadas, como eu) e uns 5 brincos e colarzinhos num saquinho. #dicaamiga é adotar o copinho menstrual ao invés de ficar comprando absorvente, que além de ser caro, prejudica o meio ambiente!

Mas olha, não precisa levar muita roupa não, em todo lugar na Ásia se encontram as lavanderias, e é bem barato, então a cada 5 dias é só levar as roupas em uma laundry que dia seguinte tá tudo limpo (mas talvez um pouco encardido…por isso recomendo levar roupas velhas pra Ásia). Outro problema das laundries é que às vezes somem peças, elas se confundem, entregam pra pessoa errada, mas enfim, acontece!

Dica importante para a mochileira: você vai usar muito as mesmas roupas, até enjoar, então esteja aberta às conexões e às trocas! Eu doei e ganhei muita roupa conforme fui fazendo amigas. Nas Filipinas encontrei uma amiga recém chegada do Brasil que não tinha vestido pra baladinha, doei um florido que eu já estava cansada da estampa, 4 meses depois reencontrei ela em Singapura, e ela me doou um vestido que tinha comprado na Indonésia e também tinha enjoado da estampa. Em Delhi, doei meu all star e um vestido longo pra uma amiga que me hospedou, já em Singapura, ganhei um macaquinho de outra brasileira que me hospedou e não o usava mais. Também troquei short e canga. Doei mais coisas que ganhei, pois meu intuito era me desfazer mesmo do que não usava mais. E comprei também, pouco, mas às vezes me apaixonava por algo barato e comprava, como uma saia dupla face na Índia, que dava pra usar nas duas estampas, um macacão no Nepal e um biquíni na promoção na Indonésia.

E muitas roupas na Ásia também são baratas, mas descartáveis, cheguei a comprar 2 calças na Índia pra praticar yoga logo que cheguei, que 2 meses depois estavam rasgadas ou desbotadas e me desfiz.

Eu tenho um prazer em desapegar, na verdade, conto os dias pra fazer a limpa. Então assim que acabaram as praias na viagem, já doei pra faxineira do hostel 2 biquínis, 2 shorts e as 3 regatas que eu não usaria mais na Índia. E assim que terminei a última trilha no Nepal, doei no orfanato minha luva, gorro, um casaco, cachecol e 2 camisetas.

Gente, desapegar é vida!!! E pra quem gosta de comprinhas, o desapego das coisas velhas vai abrindo espaço no mochilão pras roupas maras e baratas que vamos encontrando na viagem! Espero ter ajudado com a minha experiência!